SEQTRA Engenharia Logística e Negócios Sustentáveis

Ser sustentável é rentável

11 setembro 2014   //   Por SEQTRA   //   Notícias  //  Sem Comentários

Sustentabilidade é um conceito que precisa alcançar a agenda dos pequenos negócios. Ser uma empresa sustentável significa se tornar mais econômica, poupar recursos energéticos e hídricos no dia a dia, matérias primas, embalagem, diminuir desperdícios, separar e reaproveitar materiais recicláveis, apoiar e participar da vida comunitária, enfim, mudar valores e paradigmas para melhorar a qualidade de vida das pessoas e do Planeta, e que, simultaneamente, beneficiam os resultados do negócio.

Os franceses denominam sustentabilidade de “durabilité” (durabilidade) e talvez seja uma boa tradução para este conceito, que funciona como um alerta para agirmos e nos preocuparmos com a perenidade da vida, dos indivíduos, da natureza, do mercado, da economia e das empresas. Além dos aspectos éticos e econômicos, este tema também está cada vez mais presente nas legislações e normas, que regem as atividades humanas e produtivas. Sanções legais sob a forma de multas e penalidades se tornam ameaças a empresas descumpridoras de exigências ambientais e sociais, relacionadas à sustentabilidade.

Pensando e acreditando nesta transformação revolucionária do mundo e da humanidade, deflagramos um trabalho diferenciado no Sebrae em Mato Grosso, há alguns anos, que culminou na implantação do Centro Sebrae de Sustentabilidade (CSS), unidade de referência nacional da instituição, com sede em Cuiabá. A missão do CSS é gerar e disseminar conhecimentos e boas práticas sustentáveis para micro e pequenas empresas, por intermédio de mais de 700 agências e postos de atendimento do Sistema Sebrae em todo o país.

Para melhor entender a importância da inclusão deste grande setor na nova economia, citamos um exemplo: uma lavanderia ao economizar água, energia e fazer uma boa gestão de seus resíduos, pode não significar muito; porém, 9 mil lavanderias (este é o número aproximado deste tipo de empreendimento no Brasil) ao adotarem boas práticas sustentáveis em seu processo produtivo, certamente farão enorme diferença para o meio ambiente, a economia e a sociedade.

Os pequenos negócios totalizam cerca de 9 milhões de empreendimentos (micro e pequenas empresas, microempreendedores individuais e agricultores familiares), que correspondem a 99% das empresas brasileiras, geram 27% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional e 52% dos empregos formais do país. Vale esclarecer que neste número estão computados aproximadamente 3 milhões de microempreendedores individuais (MEI), cuja maioria trabalha em diversos segmentos profissionais considerados, até recentemente, integrantes do chamado mercado informal e que, hoje, já não o são mais.

Os números não mentem e demonstram o quão importante e fundamental é o papel dos pequenos negócios no desenvolvimento sustentável brasileiro. Há quatro anos, o Centro está desenvolvendo materiais informativos e orientações para este robusto setor, em linguagem didática, visando facilitar o entendimento sobre as boas práticas sustentáveis e seus benefícios, tornando-as possíveis de serem adotadas por centenas de empreendimentos de pequeno porte. Um simples passo como trocar lâmpadas incandescentes por lâmpadas fluorescentes compactas é uma prática rumo à sustentabilidade, que reduz as despesas mensais com contas de luz e gera menos demanda ao sistema nacional de distribuição de energia.

Até o momento, o Centro produziu e está distribuindo, por meio de download do site do CSS, (www.sustentabilidade.sebrae.com.br ) 26 infográficos com dicas de boas práticas para 26 segmentos e setores, sendo eles: comércio varejista; minimercado; materiais de construção; bares e restaurantes; meios de hospedagem; salão de beleza; lava jato; oficinas mecânicas; eventos sustentáveis; farmácias de manipulação; pet shop; clínicas e consultórios odontológicos e laboratórios de análises clínicas e patológicas; construção civil; bares e restaurantes; confecção e moda; indústria moveleira; construção civil; indústria cerâmica; indústria calçadista; panificadoras; metalurgia; gestão de resíduos eletrônicos; agroindústria de leite; suinocultura; piscicultura; hortifrutigranjeiros; compostagem.

No site do CSS há, também, casos de sucesso de micro e pequenas empresas, que estão atuando em novos nichos de mercado criados pela sustentabilidade, e empreendimentos com boas práticas sustentáveis, que resultaram em maior rentabilidade. Há, ainda, informações sobre legislações, certificações, agenda de cursos e eventos, notícias, dicas, consultorias e informações estratégicas do Sistema de Inteligência Setorial (SIS/Sustentabilidade) para subsidiar tomada de decisões de empresários.

No período de 29 a 31/7/14, CSS, Sebrae MT e Sebrae Nacional realizaram a quarta edição do Seminário Sebrae de Sustentabilidade no Centro de Eventos do Pantanal em Cuiabá, no qual participaram cerca de 500 pessoas, entre empresários, universitários, especialistas e interessados no tema. Palestrantes internacionais foram convidados, sendo eles: Maritta Koch-Weser, antropóloga do Instituto Earth 3000; Rolf Bushmann, arquiteto e diretor do Solar Info Center de Freiburg (Alemanha); Alejo Alcolea, diretor de projetos urbanísticos de Barcelona (Espanha).

Renomados especialistas e empresários brasileiros proferiram palestras e participaram de cinco painéis: Sérgio Besserman (economista), Clóvis de Barros Filho (USP), Dal Marcondes (Envolverde), Henrique Lian (Ethos), Paulo Pianez (Carrefour), Felipe Warken (Linken), Raquel Blumenchaii (UnB), Estefânia Mello (Procel), Mirela Souto (Marca Ambiental), Gabriela Otero (Abrelpe), Roberto Zilles (USP), Enedir Ghisi (UFSC), Sérgio Meldona (Weg Motores), Luiz Carlos Nascimento (Petrobras), Tarcila Ursini (Angatu) e José Augusto Abreu (Sextante).

Arquitetura indígena

O prédio onde o Centro está instalado, junto à sede do Sebrae MT, se tornou uma atração em Cuiabá, pois trata-se de um laboratório vivo de boas práticas da construção civil sustentável. Seu projeto arquitetônico, baseado na sabedoria e arquitetura das casas indígenas do Xingu, propicia uma experiência única ao ser visitado. Em formato ogival, a edificação utiliza iluminação natural, dispensando totalmente iluminação artificial, durante dias ensolarados.

A edificação recebeu a certificação Procel Edifica, em Outubro de 2013, fornecida pela Eletrobrás e Programa Nacional de Conservação de Energia (Procel) em parceria com o Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE) do Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro). Este selo destaca a sede do CSS como exemplo de eficiência energética e conforto térmico e o tornou a primeira edificação mato-grossense a recebê-lo.

O prédio recebeu duas notas máximas (A) no processo de certificação, tanto pelo projeto como pela obra construída. O arquiteto cuiabano José Afonso Botura Portocarrero, professor de arquitetura da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e doutor em construções indígenas brasileiras, é o autor do projeto do CSS.

Todo o processo de construção da sede do Centro seguiu critérios sustentáveis. Ao contrário da maioria das obras, não houve terraplanagem convencional do terreno. O projeto preservou a vegetação e árvores existentes e se adequou à área, onde seria erigido. Foi contratada mão de obra feminina para separar e reaproveitar resíduos, o que reduziu sobras e entulhos no canteiro de obras.

A cobertura predial em duas cascas possibilita o resfriamento do prédio, permitindo que temperatura interna esteja sempre dez graus a menos do que do lado de fora. A água de chuva é armazenada e usada na rega de jardins e lavagem de banheiros e áreas externas. O auditório no subsolo tem formato semicircular e é revestido de resíduos de madeiras, propiciando excelente acústica. Os jardins contêm espécies da flora do Cerrado, Pantanal e Amazônia (os três biomas presentes em Mato Grosso).

O Centro recebeu 6 mil visitantes no ano passado, entre eles empresários, universitários, arquitetos e engenheiros. Ele é uma rara referência de projeto de edificação sustentável baseado na arquitetura indígena brasileira, que harmoniza beleza e despojamento em termos de acabamento, demonstrando não ser necessário gastar muito para se construir um prédio bonito, moderno, inovador e confortável.

A sustentabilidade é, portanto, este tema que também favorece resgate cultural, criatividade, inovação e os negócios. Não cabe apenas aos grandes empreendimentos e empresas praticar seus princípios. Os pequenos negócios são protagonistas importantes deste novo capítulo da história humana, cuja palavra-chave invoca perenidade ou a durabilidade da vida em todos os sentidos.

O Sebrae tem orgulho de estar contribuindo para a transformação e inclusão dos pequenos negócios brasileiros na era da sustentabilidade. Acreditamos no trabalho do Centro Sebrae de Sustentabilidade e neste grande e precioso setor, que é o motor e a alma da economia e da sociedade brasileira. O desenvolvimento sustentável de nosso país depende do sucesso dos pequenos negócios.

 

José Guilherme Barbosa Ribeiro
Superintendente do Sebrae em Mato Grosso

 

Fonte: http://www.eco21.com.br/textos/textos.asp?ID=3358

Deixe um Comentário