SEQTRA Engenharia Logística e Negócios Sustentáveis
Exibindo os artigos Taggeados com "Denatran | SEQTRA Engenharia Logística & Negócios Sustentáveis"

Ministério lança campanha de São João para redução de acidentes nas regiões Norte e Nordeste

18 julho 2012   //   Por SEQTRA   //   Segurança Viária  //  Sem Comentários

O ministério das Cidades lança, nesta quarta-feira (13/06), a campanha para as festas de São João do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), que tem o cantor Leonardo como protagonista.

Com o slogan “A dor de um acidente pode durar para sempre”, a campanha traz citações de Leonardo e aborda diversos aspectos relacionados a um acidente de trânsito, como o sofrimento da família, por exemplo. O objetivo é promover a conscientização a partir do momento de reflexão gerado pelo acidente do filho do cantor, Pedro Leonardo.

Ela será veiculada nas regiões Norte e Nordeste do país, entre os dias 12 e 30 de junho, para alertar aos motoristas sobre os riscos de acidentes nas ruas e estradas, durante as festas de São João. Nessa época, há um aumento do número de acidentes, devido ao consumo de bebida alcoólica pelos motoristas.

Assim como a campanha do ministério das Cidades para o feriado de Corpus Christi, a iniciativa dá continuidade aos esforços de comunicação do PARADA: Pacto Nacional pela Redução de Acidentes. O projeto foi lançado há um ano pelo ministério das Cidades, como resposta do Governo brasileiro à resolução das Nações Unidas, que instituiu como a Década de Segurança, o período de 2011 a 2020.

As peças podem ser vistas no site do PARADA – paradapelavida.com.br – e serão veiculadas em todas as emissoras abertas, televisão fechada, rádio, mobiliários urbanos, busdoor, outdoor e principais portais da internet.

Ministério das Cidades lança campanha de trânsito para a Semana Santa

03 abril 2012   //   Por SEQTRA   //   Segurança Viária  //  Sem Comentários

O Ministério das Cidades lançou nesta segunda-feira (02/04) campanha nacional de trânsito com o objetivo de alertar os motoristas para os riscos de acidentes durante as viagens no feriado da Semana Santa. O foco da campanha são as ultrapassagens, que em 2011 foram responsáveis pela morte de 2.685 pessoas no país, ou seja, 31% do total de 8.660 óbitos registrados nas estradas, conforme dados da Polícia Rodoviária Federal.

O slogan da campanha é: “no trânsito você é responsável pela vida de quem vai e pela vida de quem vem”. A ideia é conscientizar o motorista sobre as consequências das suas decisões na condução do veículo tanto para sua vida como para a dos outros. A campanha mostra que o trânsito é uma responsabilidade coletiva, além de alertar o motorista sobre a necessidade de conduzir o veículo de maneira segura.

A veiculação da campanha na mídia será do dia dois ao dia oito de abril, quando o fluxo de veículos nas estradas e rodovias aumenta consideravelmente, assim como o número de acidentes causados pela imprudência de alguns motoristas. No ano passado, a Polícia Rodoviária Federal registrou 4.033 acidentes, neste período, com 180 mortes. As ultrapassagens indevidas provocaram 70 acidentes com 83 feridos e 21 mortes.

As peças publicitárias desta campanha são comerciais de televisão e rádio, além de painéis, taxidoor e busdoor. Também foram criadas peças para a internet.

Parada - Desde maio do ano passado, o Ministério das Cidades, por meio do Denatran, implementou o Parada – Pacto Nacional pela Redução de Acidentes. A campanha nacional pela redução de acidentes no trânsito na Semana Santa faz parte das ações deste pacto. As campanhas educativas para conscientizar a população são reproduzidas pelos governos, empresas, instituições, entidades representativas, sindicatos e ONGs

O Brasil assumiu o compromisso com a Organização das Nações Unidas (ONU) de reduzir em 50% os óbitos decorrentes de acidentes de trânsito no período de 2011 a 2020. Os resultados até agora mostram que estamos no caminho certo. Desde o lançamento em maio de 2011, houve reduções de óbitos nas rodovias federais em todos os feriados em que foram realizadas as ações de comunicação.

No feriado de Ano Novo em 2011, por exemplo, houve redução de 44% de óbitos nas estradas, em relação ao mesmo período de 2010. A redução deu-se também em todos os principais feriados: Corpus Christi (35%), Proclamação da República (27%), Natal (20%) e Carnaval (18%).

 

 

Fonte: Coordenação de Projetos – Ministério das Cidades

Quando a consciência aumenta, os acidentes diminuem.

29 fevereiro 2012   //   Por SEQTRA   //   Segurança Viária  //  Sem Comentários

Desde maio do ano passado, o Ministério das cidades, por meio do Denatran, está implementando o PARADA – Pacto Nacional pela Redução de Acidentes. O Programa conta com ações e conscientizações e campanhas educativas que são reproduzidas por governos, empresas, instituições, sindicatos e ONGs. Os resultados mostram que estamos no caminho certo, mas nós não podemos nos acomodar.

O Parada é a resposta brasileira a iniciativa da ONU para proclamar o período de 2011 a 2020 como a Década de Ações de Segurança no Trânsito, cujo objetivo é reduzir os acidentes em 50%. O número de acidentes e óbitos decorrentes do trânsito no Brasil ainda é muito alto. Por isso é fundamental mantermos o esforço permanente dos governos e da sociedade, fazendo campanhas educativas, aumentando os instrumentos legais para efetividade da fiscalização e conscientização da população.

Faça você sua parte. Muitas vidas poderão ser salvas nas estradas e ruas de todo Brasil, inclusive a sua. PARE, PENSE, MUDE.

Bebida e Direção. Pule fora dessa.

15 fevereiro 2012   //   Por SEQTRA   //   Segurança Viária  //  Sem Comentários

O alto índice de acidentes de trânsito causados por motoristas alcoolizados é um problema que atinge o país de norte a sul, causando milhares de mortes e feridos todos os anos, principalmente em feriados como o Carnaval.

Para evitar que mais vidas sejam perdidas, o Ministério das Cidades, por meio do Denatran, lançou no dia 12 de fevereiro, uma ampla campanha de conscientização dirigida a todos os segmentos da sociedade, onde as pessoas são orientadas a não dirigir depois de consumir qualquer quantidade de bebida alcoólica.
Com uma linguagem direta e voltada para as festas de Carnaval, as peças publicitárias chamam atenção para o comportamento consciente e as conseqüências para aqueles que se arriscam assumindo a direção após o consumo de bebida alcoólica.

Norteada pelo conceito “Bebida e direção: Pule fora dessa.” a campanha mostra que quem quer brincar o carnaval de forma responsável e segura não dirige depois de beber. Incentivamos as pessoas que beberam a voltar de carona – ressaltando a figura do amigo da vez -, ônibus ou táxi. Além de sensibilizar, também é preciso conscientizar a sociedade sobre a urgente necessidade de uma mudança de comportamento em relação ao  hábito que alguns motoristas tem de dirigir depois de beber.

Outra novidade lançada para quem quer se divertir e voltar para casa em segurança, é o aplicativo “Onde tem táxi aqui?”, que já está disponível nas plataformas Android e IOS e podem ser baixados gratuitamente na Apple Store e Android Market. A ferramenta possibilita que o usuário encontre o endereço e o telefone do ponto de táxi mais próximo.

Por se tratar de um grande esforço de comunicação, é de suma importância que todos participem dessa grande PARADA pela vida contra os acidentes causados por motoristas alcoolizados. Neste carnaval, faça você também a sua parte. Pule, brinque, divirta-se, Mas não se esqueça de divulgar e compartilhar essa campanha. Assim, muitas vidas poderão ser salvas e você terá muitas histórias para contar quando a Quarta-Feira de Cinzas chegar!

No cenário global, a violência no trânsito…

30 novembro 2011   //   Por Cristiano Tilli Montini   //   Segurança Viária  //  Sem Comentários

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), o número de mortes em consequência de acidentes no trânsito chega a 1,3 milhões ao ano e, se não houver medidas dos governos, a perspectiva é que em 2020 esse número possa aumentar para 2 milhões. Trata-se de uma crise humanitária, um problema de saúde pública mundial.

No cenário global, a violência no trânsito mata mais crianças entre 5 e 14 anos em todo o mundo do que a AIDS ou Malária, além de ser a principal causa da morte de jovens entre 15 e 29 anos. Portanto, se os acidentes de trânsito não forem combatidos, afetarão o desenvolvimento sustentável de muitos países, principalmente naqueles de média e baixa renda, em que acontecem 90% das mortes no trânsito.

Por essa razão a ONU (Organização das Nações Unidas) estabeleceu, em sua Assembléia Geral, em 2 de março de 2010, a Década de Ações para a Segurança no Trânsito de 2011 a 2020 com a meta de estabilizar e reduzir acidentes de trânsito em todo o mundo.

Na recente resolução adotada, os 192 países membros da ONU solicitam à OMS, em cooperação com outros parceiros, a elaboração de um plano diretor para guiar as ações nessa área durante os próximos dez anos. E, ainda, que cada um desses países estabeleça suas metas nacionais para a redução de acidentes até o final do período correspondente à década.

BRASIL

Segundo o Ministério da Saúde, são cerca de 37 mil vítimas fatais todos os anos e cerca de 120 mil feridos internados em nossos hospitais por ocorrência de acidentes de trânsito – uma tragédia anunciada, já que os fatores que levam a essas fatalidades são conhecidos. O Brasil ocupa hoje a 5ª posição mundial em quantidade absoluta de fatalidades no trânsito, atrás apenas da Índia, China, Estados Unidos e Rússia.

Os acidentes de trânsito estão em 2º lugar entre as causas externas de mortes, depois dos homicídios, podendo-se tornar o 1º em breve (no Estado de São Paulo, por exemplo, os acidentes já são a principal causa). O impacto econômico e social dessa violência foi estimado em 34 bilhões de reais ao ano, em estudo do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), DENATRAN (Departamento Nacional de Trânsito) e ANTP (Associação Nacional de Transportes Públicos).

 

Fonte: http://www.fundacionmapfre.com.br/site.aspx/seguranca_viaria?idpost=kWxwYetUgbw=

Tecnologia reduz consumo de diesel e emissão de CO2

28 setembro 2011   //   Por SEQTRA   //   Notícias  //  Sem Comentários

Por Daniel Rittner | De BrasíliaValor Econômico – 27/09/2011

Um equipamento recém-chegado ao mercado brasileiro promete economizar cerca de 20% do óleo diesel consumido por veículos pesados e reduzir em pelo menos 15% a emissão de poluentes por litro de combustível.

O Green Box, desenvolvido por um engenheiro russo radicado nos Estados Unidos, ainda é objeto de negociações para uso pelas montadoras americanas. No Brasil, será vendido pela IG-Fuel, empresa criada em Brasília que detém a patente e o direito de uso do equipamento em toda a América do Sul. Por aqui, em vez de focar sua estratégia comercial nos veículos que ainda não saíram das fábricas, a IG-Fuel enxergou um mercado de aproximadamente 2,5 milhões de caminhões e mais de 400 mil ônibus.

Em 1º de janeiro, entra em vigor uma nova etapa de exigências do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve), a chamada fase P-7 ou Euro 5. O diesel que chega aos postos de combustíveis terá 50 partes por milhão (ppm) de teor máximo de enxofre. Hoje, o mais comum é o abastecimento de diesel com 500 ppm na maior parte dos centros urbanos e de 1.800 ppm no interior do país.

Caminhões e ônibus novos sairão das montadoras com motores que podem aproveitar plenamente os benefícios ambientais do chamado “diesel mais limpo”, mas isso não ocorre com a frota antiga. A idade média da frota de veículos pesados, no Brasil, é de aproximadamente 15 anos. Por isso, a IG-Fuel decidiu voltar-se a esse mercado. “Ainda temos muitos veículos antigos em circulação”, observa Wando Pereira Borges, um dos sócios da empresa.

O Green Box, que começa a ser comercializado nos próximos dias, chega ao mercado com preço em torno de R$ 20 mil. Testes realizados no autódromo de Brasília e em trajetos rodoviários indicaram, além de forte redução nas emissões de material particulado, que o consumo de diesel teve economia de até 29% em ônibus da transportadora Real Expresso e de 26% em um caminhão Volvo do frigorífico JBS. Os testes foram repetidos, com sucesso, com motores da Mercedes-Benz.

Inicialmente, a IG-Fuel importará os equipamentos dos EUA. Foram investidos R$ 10 milhões em desenvolvimento do produto. A estimativa é comercializar cerca de dez mil unidades por mês. Linhas de crédito com o Santander e com o Banco do Brasil foram abertas para financiar as vendas. “A ideia é gradualmente iniciarmos a montagem aqui no Brasil”, diz Borges. Em um primeiro momento, basicamente com partes importadas. Aos poucos, conteúdo nacional deverá ser incorporado e até três fábricas poderão sair do papel. O investimento estimado é de R$ 90 milhões, segundo a empresa.

“Pensamos em centros regionais de produção e distribuição”, afirma Borges. A primeira fábrica deverá ser erguida no Distrito Federal. As outras duas estão em estudo no Estado de São Paulo e na região Sul, possivelmente Santa Catarina. “Como as manifestações de interesse são muito fortes, imaginamos que isso poderá acontecer em relativamente pouco tempo, talvez ainda em 2012.”

Alfredo Peres da Silva, ex-diretor do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e vice-presidente regional da NTC & Logística, diz que a economia gerada pelo Green Box terá impacto positivo sobre os custos do setor. “O diesel representa 25% do custo operacional das transportadoras e, no caso dos autônomos, chega a até 50%”, afirma Peres da Silva, que acompanhou testes da IG-Fuel.

A empresa quer atuar ainda como fornecedora do equipamento para geradoras de energia e transportadoras ferroviárias. Borges lembra que a MRS Logística, operadora de ferrovias que é a segunda maior consumidora de diesel do país, usa 800 mil litros de combustível por dia. “Uma redução de pelo menos 50 mil litros por dia, com o Green Box, é plenamente possível”, calcula.

Além de Borges, são sócios da IG-Fuel o empresário Fernando Fantauzzi, ex-presidente da Interglobal, e o consultor em comunicação Luiz Lanzetta (que chegou a ter papel de destaque no QG da campanha presidencial de Dilma Rousseff, mas saiu após acusação de envolvimento, que ele nega, na elaboração de dossiês contra adversários eleitorais).

Fonte: http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2011/9/27/tecnologia-reduz-consumo-de-diesel-e-emissao-de-co2