SEQTRA Engenharia Logística e Negócios Sustentáveis
Exibindo os artigos Taggeados com "Euro 5 | SEQTRA Engenharia Logística & Negócios Sustentáveis"

Caminhão a etanol está em testes

23 janeiro 2012   //   Por SEQTRA   //   Notícias  //  Sem Comentários

Scania aposta em frotistas sustentáveis

Pioneira no desenvolvimento de ônibus a etanol que funciona com motor ciclo diesel, a Scania começa a por em prática os planos traçados para seu caminhão a etanol, o semipesado P 270 lançado na Fenatran 2011(leia aqui).

Segundo o diretor de vendas Eronildo de Barros, dois P 270 a etanol estão em testes em duas redes atacadistas em São Paulo. O executivo também aponta que o preço do caminhão mantém a mesma proporção de aumento do valor dos ônibus com relação aos modelos tradicionais movidos a diesel, de 10% a 15%, o que os mantêm na mesma linha de preços de caminhões ou ônibus Euro 5. A montadora sueca oferece o caminhão a etanol nas versões 4×2, 6×2 e 8×2.

“O mercado aponta para aumento de preço de 8% a 15% para a linha diesel Euro 5, entretanto os veículos comerciais movidos a etanol têm maior vantagem ecológica, sua emissão de material particulado chega a ser 90% menor, enquanto os demais com motores EGR ou SCR reduzem em 80%”, informa Barros.

Apesar de não revelar o nome dos clientes, Barros conta que as empresas já possuem políticas orientadas para a sustentabilidade e que vê nessa característica uma oportunidade para alavancar a venda do caminhão a etanol: “As companhias, principalmente aquelas que atuam em grandes centros urbanos como São Paulo, têm acrescentado a sustentabilidade à sua estratégia. Estamos no começo do processo, mas acredito que neste ano teremos boas novidades com relação a este novo produto”, concluiu.

Por Sueli Reis, da Automotive Business.

Fonte: http://www.automotivebusiness.com.br/noticia/12880/Caminh%C3%A3o%20a%20etanol%20est%C3%A1%20em%20testes

Diesel com menos enxofre vai chegar a 900 postos do Brasil em janeiro

07 dezembro 2011   //   Por SEQTRA   //   Notícias  //  Sem Comentários

A Petrobras anunciou nesta segunda-feira (5) que vai disponibilizar para todos os estados do país, a partir de 1º de janeiro, óleo diesel com menor teor de enxofre, conhecido como S-50, por conter teor de enxofre de 50 miligramas por quilo de combustível (mg/kg) . Atualmente, o produto já é vendido em nove capitais e municípios das respectivas regiões metropolitanas para abastecer, principalmente, as frotas de ônibus do transporte público.

O S-50 provoca menos emissões de poluentes, como material particulado e óxidos nitrosos. Mas esta é uma vantagem ambiental que só valerá para os veículos mais novos, equipados com motores de padrão Euro 5, e apenas se for usado em associação com o produto Agente Redutor Líquido Automotivo, mais conhecido pela sigla Arla 32.

“Vamos ter uma melhoria substancial na qualidade do ar porque, com os motores novos Euro 5, que já estão sendo produzidos no país, mais o diesel 50 ppm [partes por milhão] e o Arla, teremos redução de 80% de materiais particulados e de 98% de óxidos nitrosos”, disse o diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa.

Segundo ele, os motores a diesel mais antigos também vão emitir menos poluentes com o novo combustivel, porém, essa redução não será tão significativa. “Os motores antigos da nossa frota vão poder utilizar o diesel 50, mas a redução das emissões ficará em torno de 10% a 15%. A troca da frota vai se dar ao longo de muitos anos. A Anfavea [Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores] pretende vender, em 2012, de 160 mil a 170 mil veículos com motores novos [a diesel padrão Euro 5]. Mas nós temos uma frota de 2,3 milhões de veículos pesados”, comparou Costa. Atualmente, o S-50 corresponde a 6% das vendas totais de diesel da Petrobras.

Segundo o presidente da Petrobras Distribuidora, José de Lima Neto, no mínimo, 900 postos da bandeira BR Distribuidora vão oferecer o S-50 a partir de janeiro. A ideia é que os motoristas não precisem percorrer mais de 400 quilômetros para encontrar postos de combustíveis que ofereçam o novo produto, pois os motores a diesel da nova geração não podem rodar com o combustível antigo, mais pesado e poluente.

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) estimou que, em um primeiro momento, cerca de 3 mil postos deverão ter bombas para oferecer o novo produto. “A principal certeza é que, quem comprar um caminhão novo, não vai ficar parado na estrada. É o desafio principal, neste primeiro momento”, frisou Lima Neto.

O preço do litro de óleo diesel S-50 deve ser seis centavos mais caro que o do diesel S-500 (com teor de enxofre máximo de 500 mg/kg). Mas o motorista também vai ter que desembolsar de R$ 2 a R$ 3 por litro de Arla 32, na proporção de 1 litro do agente para cada 20 de diesel. O uso do Arla 32 será obrigatório porque, sem o produto, o motor poderá apresentar problemas e parar de funcionar.

“O motor [novo] tem um sistema de diagnóstico. Se começar a emitir acima da legislação, vai perder potência e o motorista poderá ter de parar o caminhão em determinado momento. É um produto mandatório de uso. Para evitar as emissões, você tem o custo do produto, como é na Europa”, explicou Lima Neto.

Atualmente, nos países membros da União Europeia, o diesel usado em veículos é o S-10 (10 mg de enxofre por kg). Nos Estados Unidos, o padrão é S-15 (teor de enxofre de 15 mg/kg) e S-500. No Brasil, atualmente, a Petrobras vende 66% de diesel S-1.800 (o mais sujo, com teor de enxofre de 18 gramas por quilo), 28% de S-500 e 6% de S-50. Para 2020, a empresa projeta vender 60% de S-10 e 40% de S-500.

Fonte: http://wwww.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=137171

 

Tecnologia reduz consumo de diesel e emissão de CO2

28 setembro 2011   //   Por SEQTRA   //   Notícias  //  Sem Comentários

Por Daniel Rittner | De BrasíliaValor Econômico – 27/09/2011

Um equipamento recém-chegado ao mercado brasileiro promete economizar cerca de 20% do óleo diesel consumido por veículos pesados e reduzir em pelo menos 15% a emissão de poluentes por litro de combustível.

O Green Box, desenvolvido por um engenheiro russo radicado nos Estados Unidos, ainda é objeto de negociações para uso pelas montadoras americanas. No Brasil, será vendido pela IG-Fuel, empresa criada em Brasília que detém a patente e o direito de uso do equipamento em toda a América do Sul. Por aqui, em vez de focar sua estratégia comercial nos veículos que ainda não saíram das fábricas, a IG-Fuel enxergou um mercado de aproximadamente 2,5 milhões de caminhões e mais de 400 mil ônibus.

Em 1º de janeiro, entra em vigor uma nova etapa de exigências do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve), a chamada fase P-7 ou Euro 5. O diesel que chega aos postos de combustíveis terá 50 partes por milhão (ppm) de teor máximo de enxofre. Hoje, o mais comum é o abastecimento de diesel com 500 ppm na maior parte dos centros urbanos e de 1.800 ppm no interior do país.

Caminhões e ônibus novos sairão das montadoras com motores que podem aproveitar plenamente os benefícios ambientais do chamado “diesel mais limpo”, mas isso não ocorre com a frota antiga. A idade média da frota de veículos pesados, no Brasil, é de aproximadamente 15 anos. Por isso, a IG-Fuel decidiu voltar-se a esse mercado. “Ainda temos muitos veículos antigos em circulação”, observa Wando Pereira Borges, um dos sócios da empresa.

O Green Box, que começa a ser comercializado nos próximos dias, chega ao mercado com preço em torno de R$ 20 mil. Testes realizados no autódromo de Brasília e em trajetos rodoviários indicaram, além de forte redução nas emissões de material particulado, que o consumo de diesel teve economia de até 29% em ônibus da transportadora Real Expresso e de 26% em um caminhão Volvo do frigorífico JBS. Os testes foram repetidos, com sucesso, com motores da Mercedes-Benz.

Inicialmente, a IG-Fuel importará os equipamentos dos EUA. Foram investidos R$ 10 milhões em desenvolvimento do produto. A estimativa é comercializar cerca de dez mil unidades por mês. Linhas de crédito com o Santander e com o Banco do Brasil foram abertas para financiar as vendas. “A ideia é gradualmente iniciarmos a montagem aqui no Brasil”, diz Borges. Em um primeiro momento, basicamente com partes importadas. Aos poucos, conteúdo nacional deverá ser incorporado e até três fábricas poderão sair do papel. O investimento estimado é de R$ 90 milhões, segundo a empresa.

“Pensamos em centros regionais de produção e distribuição”, afirma Borges. A primeira fábrica deverá ser erguida no Distrito Federal. As outras duas estão em estudo no Estado de São Paulo e na região Sul, possivelmente Santa Catarina. “Como as manifestações de interesse são muito fortes, imaginamos que isso poderá acontecer em relativamente pouco tempo, talvez ainda em 2012.”

Alfredo Peres da Silva, ex-diretor do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e vice-presidente regional da NTC & Logística, diz que a economia gerada pelo Green Box terá impacto positivo sobre os custos do setor. “O diesel representa 25% do custo operacional das transportadoras e, no caso dos autônomos, chega a até 50%”, afirma Peres da Silva, que acompanhou testes da IG-Fuel.

A empresa quer atuar ainda como fornecedora do equipamento para geradoras de energia e transportadoras ferroviárias. Borges lembra que a MRS Logística, operadora de ferrovias que é a segunda maior consumidora de diesel do país, usa 800 mil litros de combustível por dia. “Uma redução de pelo menos 50 mil litros por dia, com o Green Box, é plenamente possível”, calcula.

Além de Borges, são sócios da IG-Fuel o empresário Fernando Fantauzzi, ex-presidente da Interglobal, e o consultor em comunicação Luiz Lanzetta (que chegou a ter papel de destaque no QG da campanha presidencial de Dilma Rousseff, mas saiu após acusação de envolvimento, que ele nega, na elaboração de dossiês contra adversários eleitorais).

Fonte: http://clippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2011/9/27/tecnologia-reduz-consumo-de-diesel-e-emissao-de-co2